Lino Damião e António Pires em “Fusão” [5 > 31 jul]

No dia 5 de Julho, pelas 21h30, inaugura na Galeria nº 10C da Rua Marquês de Subserra, em Lisboa, “Fusão”, uma exposição que apresenta obras do artista plástico angolano Lino Damião e do fotógrafo português António Pires.

Ambos os trabalhos, que poderão ser vistos até ao dia 31 de Julho, exploram conceitos e representações do mundo através de técnicas que vão para além das normalmente estabelecidas. Mostram cenas do quotidiano que os artistas vivenciam no seu relacionamento com os outros e com o meio que os envolve.

O trabalho fotográfico que António Pires apresenta nasce de uma luta que travou contra a massificação da imagem real. “A fotografia banalizou-se muito. Hoje até com o telemóvel se tiram fotos!”, diz. Da fotografia do real, bem definida, passa a dar mais importância à mancha, “um processo em que o mundo exterior perde toda a sua importância”. Selecionadas da série “impressões”, as suas fotografias mostram uma linguagem que considera próxima do impressionismo.

Já as obras apresentadas por Lino Damião, tecnicamente mais centradas na pintura, fundem-se aqui com a serigrafia e a gravura. À exceção de três obras, todas as outras nascem da adaptação de alguns dos seus esboços feitos em Angola que desenvolveu para esta exposição em Portugal. “Vi as fotos do António e dentro do trabalho que tenho vindo a desenvolver aproximei-o visualmente”. O resultado é a de uma apresentação final de obras que considera mais suaves.

“Fusão” é uma exposição que junta um fotógrafo que pinta, com um pintor que também fotografa, dois continentes, dois países com culturas diferentes, mas nem sempre tão desiguais.

Biografias:

Lino Damião nasceu em Luanda em 1977. Encorajado pelo seu pai, começou muito cedo a desenhar e pintar, tendo recebido o seu primeiro prémio em 1989 – Prémio de Pintura na União Nacional de Artistas Plásticos.
Tem participado em várias exposições individuais e coletivas: “1ª Paragem: Lisboa”, Feira de Arte Contemporânea de Lisboa, I Festival Literário “Rota das Letras” de Macau, I Trienal de Luanda, entre outras.
As suas obras estão em coleções públicas e privadas em África, na Europa, Ásia, América do Sul e EUA.
Paralelamente colabora, desde 1992, com a produtora j.j.jazz em Luanda, na organização de concertos de jazz e exposições de pintura e fotografia subordinadas à mesma temática.
Atualmente trabalha em pintura, serigrafia e fotografia e desde 2010 que trabalha na decoração dos escritórios Costa Lopes Arquitetos (Luanda, Lisboa, Maputo, Rio de Janeiro e Madrid).

António Pires nasceu em Bragança em 1960. Em 1982 vai para Coimbra onde, de 1987 a 93 foi colaborador do Centro de Estudos de Fotografia (CEF) e dos Encontros de Fotografia. Em 1995, na mesma cidade, cria com dois fotógrafos o projeto ANIMAL – Escola e Estúdio de Fotografia.
Tem participado em várias exposições fotográficas: “Hoje” no Teatro Académico de Gil Vicente em Coimbra; “Instalações” – fotografia, vídeo, música e lixo” na Fábrica A Ideal em Coimbra; “O Festival e os seus Músicos” no Teatro Académico de Gil Vicente em Coimbra, entre outras.
Colaborou como fotógrafo para a edição de dois livros: “Hoje” de Fernando Seabra Santos, 2010 e “Gabinete Transnatural de Domingos Vandelli”, 2008.
Atualmente vive e trabalha em Lisboa.

 
Até 31 de julho, de segunda a sexta, das 10h00 às 18h00. Localização da Galeria no Google Maps: http://goo.gl/maps/LPb2